sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Fonética

Não sei bem se existe uma palavra certa em certos momentos da vida.
Sempre achei que muitas vezes as palavras são lacônicas e nada demonstram, a não ser um vazio estranho entre as pessoas.
É, sem dúvida, uma tentativa falha de transferir um pouco daquilo que se sente. Falha porque nem sempre tem o resultado esperado. Ou por ineficiência de quem falou, ou por total desatenção de quem ouviu. As palavras não possuem um sentido completo, como se julga. Muitas vezes elas não possuem sentido algum.
Quantas vezes, quando mais se precisa, as palavras nãos fogem de nossa boca, deixando um silêncio constrangedor ou alguns murmuros sem nexo? As palavras são como peixes, lisas e escorregadias.
Não que eu não acredite em seu poder. Apenas acho que, sozinhas, els não fazem absolutamente nada.
O calar, o sentir e o observar são muito mais sinceros e precisos do que palavras jogadas ao ar.

Um comentário:

laís D'Andréa disse...

Samanta,
Eu concordo contigo, palavras não fazem nada sozinhas. Quer dizer, eu concordo em parte. Porque há momentos em que só o fato de haver palavras ditas a uma determinada pessoa é suficiente para deixar o dia melhor. Porque só as palavras, naquele momento, podem expressar e comunicar, não há outra maneira. Tenho vivido dias em que o calar tem me deixado angustiada; muito a dizer, mas não sei como... Um beijo!