terça-feira, 8 de abril de 2008

Errada

Ela nunca pensou que pudesse ser a culpada. Sempre atribuia o pecado ao namorado e a irmã. Mas nunca pensou que os erros também eram dela.
Ela deixou que o namorado fosse dando adeus, silenciosamente, a cada dia que passava. E ela não fez nada pra impedir que eles acabassem se separando. Só que ela não percebeu. Que ele tinha uma nova paixão. Que ela era carta fora do baralho. Que ela estava sendo traída.
Porque era bem mais fácil simplesmente fechar os olhos e deixar que as coisas acontecessem.
Aquela última fotografia que ele tirou dela lhe deixou feliz demais. Um último sorriso pra um último artifício.
Ela não o viu mais.
E a irmã saiu de casa. Grávida. Dele.
Ela nunca pensou que tivesse alguma culpa. Até entender que a negligência também podia ferir.