terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Vou-me embora


Eu vou-me embora deste lugar;
estadas malditas, espera cansativa, estática palpável.
Eu vou me embora de mim mesma;
longe do querer, perdida nas negações, sem encontrar o ser.
Eu vou me embora deste estado;
latência subjetiva de coisas que jamais serão, de desejos represáveis, de vontades abomináveis.
Eu estou indo – e não deixarei nada, a não ser aquela sensação estranha na ponta de seus cérebros.
Estou indo porque aqui não há mais tempo para mim.
Adeus.

4 comentários:

Noah Black disse...

acho que chega uma hora que a nossa cabeça quer de fato sair do corpo, ou o nosso eu sair dos pensamentos e sentimentos.
"Eu vou me embora deste estado"
e acho que infelizmente só fica a sensação de querer ir e largar tudo para trás. Mas não é assim, né?!

beijos

ps; que juro que li Vou-me embora para Passargada!

jls disse...

Adeus... aqui não há mais tempo para mim ...
Entendo perfeitamente isso!!! Oo

*.* Dessa *.* disse...

entendo perfeitamente

mirianne disse...

é até estranho. sempre que venho aqui, encontro algo com que me identificar de um tanto...
sobre partir... acho que também vou indo. procurar coisas e talvez voltar pro mesmo lugar. mas procurar.
bjo.